malha canelada

banner store

Curiosidades

A COMUNICAÇÃO DO BEBÊ

Antes mesmo de falar, as crianças já se comunicam com os pais por meio de olhares, gestos e sorrisos. A aquisição do vocabulário de uma criança está diretamente ligada ao quanto a mãe fala com ela. Como a criança só será capaz de dizer o primeiro "mamãe" ou "papai" perto dos 12 meses de vida, até conseguir isso ela se vira muito bem com uma grande ferramenta que tem para expressar ao mundo o que sente: seu corpo.
Os órgão do sentido funcionam como um radar. O bebê não entende o conceito da frase falada, mas sabe o que está por trás disso. Ele percebe a diferença de ser chamado com uma voz suave ou ríspida, ser pego no berço de modo carinhoso ou apressado, ou ter a fralda trocada por alguém com cara amarrada ou sorriso aberto. Em resposta, a criança usa recursos corporais como sorrir, franzir o senho, mexer as mãos ou até abrir um berreiro.
Os bebês não chegam ao mundo falando porque o cérebro do ser humano não nasce suficientemente maduro para isso, porém a velocidade com que uma criança aprende a falar é impressionante. Do primeiro para o segundo ano de vida acontece um boom, no qual a criança passa de um repertório de quarenta, para em média 600 palavras. Daí para frente não para mais de aprender e falar.


1. Como eles choram...

O volume do choro de uma criança pode variar de um murmúrio a um berro de 84 decibéis, semelhante a uma britadeira. As razões que levam uma criança a chorar também variam e, com o tempo, os pais passam a identificá-las ao primeiro acorde. Há no entanto 3 tipos principais:
Manha: é a grande arma da criança para fazer prevalecer sua vontade. Aparece nos momentos de birra, quando a criança sente ciume ou é proibida de fazer algo.
Mágoa: é um choro comum também entre os adultos, o que muda é a situação. A criança chora quando uma brincadeira dá errado, sente medo de ficar só ou em outras situações semelhantes.
Dor: todo mundo sabe o que é sentir dor a ponto de chorar. Nas crianças, isso não acontece apenas quando ela se machuca, mas também quando está com frio ou fome.


2. Como sorriem...

Estudo recente mostra que o sorriso das crianças ajuda na vida social. As crianças mais sorridentes costumam atrair a atenção de professores na escola, têm a preferência dos avós e tios e, entre os amigos, são tidas como pessoas "legais". Assim como o choro, há um sorriso para cada situação, que pode ser agrupado em três famílias:
Fechado: é aquele sorriso envergonhado, acompanhado muitas vezes de um rubor na face. É dado normalmente quando a criança fica sem graça ao receber uma crítica ou elogio.
Superior: é o sorriso social, quando a criança quer apenas ser agradável. É usado quando alguém lhe conta uma história ou quando a criança á apresentada aos amigos dos pais.
Largo: é a demonstração máxima de felicidade, de diversão. É a risada expressiva, com direito a som, quase uma gargalhada. A criança dá essa risada larga quando está se divertindo em brincadeiras ou depois de uma travessura.


CHUPETA E MAMADEIRA

A sucção da chupeta (principalmente as convencionais) pode causar os seguintes malefícios para o bebê:

- Faz com que o bebê mame menos: quando o bebê chupa chupeta, pode ter a sensação de que está com a barriga cheia devido a produção de maior quantidade de saliva, além de cansar a musculatura da região oral, ocasionando a diminuição da mamada e conseqüente perda de peso;

- Pode causar problemas para o desenvolvimento da face, boca, dentes e língua: o bico da chupeta faz com que a língua do bebê fique numa posição errada (no assoalho da boca) e se exercite de forma incorreta, causando uma hipotonia (músculos flácidos, moles e com pouca força). Os lábios ficam virados para fora e também moles. Causa também problemas nas arcadas dentárias: os dentes ficam tortos e mal ocluídos;

- A soma desses problemas faz com que a criança possa ter problemas de fala mais tarde, pois não conseguirá articular os fonemas de forma correta, devido a falta de postura de lábios, língua e dentes;

- Se a chupeta for utilizada como "calmante", mãe e filho podem criar uma relação de dependência;

- Não use chupeta para manter o bebê distraído. Prefira carregar ao colo, conversar, passear, dar carinho a ela, estreitando assim os laços afetivos.


No caso da mamadeira em substituição ao aleitamento, os problemas ocasionados são os seguintes:

-O bebê tende a introduzir o dedo na boca como necessidade de exercitação da musculatura, pois não precisa fazer esforço ao sugar o bico da mamadeira. O bebê consegue o leite de maneira mais fácil;

-Exercita de forma errada toda a musculatura, deixando os músculos da face "moles";

-O bebê engole mais ar e pode ter cólicas e gases, devido ao vedamento incorreto dos lábios no bico da mamadeira;

-Pode ter mais chances de contrair infecções, principalmente se o leite for de vaca (algumas crianças são alérgicas), e também devido a problemas de esterilização da mamadeira, que muitas vezes não é adequada e/ou insuficiente para a eliminação de germes e bactérias;

-A mãe perde chances de estabelecer um vínculo afetivo com o bebê, pois a mamadeira pode ser dada por qualquer pessoa. E esse vínculo é fundamental para o bem desenvolvimento emocional da criança.


COMO TROCAR A FRALDA DO BEBÊ

Em primeiro lugar limpe o bumbum do bebê e em seguida passe um creme protetor. Além disso, é necessário manter a mãos limpas para evitar qualquer tipo de contato indesejável com a pele do bebê. Para facilitar a troca de fraldas deve-se manter todos os ítens à serem utilizados num só lugar. Jogue tudo o que tiver usado, como gazes, chumaços, fraldas numa lixeira com saco plástico.
Ítens necessários:

-Algodão: compre um rolo e deixe os chumaços separados antes de usar

-Toalhinhas: para limpar fezes e secar o bumbum do bebê

-Tigela com água morna: o algodão e água morna é a maneira mais adequada de se fazer a higiene do bumbum da criança

-Creme protetor: pode ser um creme indicado pelo pediatra ou óleo de amêndoas doce

-Gaze umedecida: é útil para limpar o bumbum do bebê quando você estiver fora de casa

-Fraldas descartáveis ou de pano

-Fita crepe


Troca de fraldas passo-a-passo:

1 - Abra a fralda descartável com as fitas adesivas na parte de cima. Levante o bebê pelos calcanhares com um dedo entre eles e coloque a fralda embaixo com a borda de cima na linha da cintura;

2 - Levante a parte da frente, com o pipi do menino voltado para baixo (para não urinar para cima) e estique bem a fralda sobre a barriga do bebê;

3 - Segure uma ponta na posição certa e, com a outra mão tire a proteção da fita e cole-a paralela à borda da fralda, na parte da frente;

4 - Faça o mesmo procedimento do outro lado, verificando se a fralda está firme em torno das pernas do bebê;

5 - A fralda deve ficar ajustada na cintura do bebê com uma folga de apenas um dedo.


O DIA DO PARTO

Após meses de espera, finalmente você poderá ver o rostinho do seu bebê. A apreensão neste momento é normal, mas saiba que quanto mais relaxada e confiante você estiver, melhor será o seu parto. Fique atenta aos sinais de que chegou a hora para que não confunda as contrações das últimas semanas, com as contrações do parto.
Sinais
O tampão que bloqueia o colo do útero sairá da vagina com uma coloração similar a do sangue. Espere até sentir as dores características do trabalho de parto, pois muitas vezes o tampão cai dias antes do parto. O rompimento da bolsa, quando um jato de água escorre, é o sinal esperado para que você se encaminhe até a maternidade.
Neste momento, ligue imediatamente para o seu médico e o informe sobre possíveis contrações.
Quando as contrações começarem, marque o tempo de seus intervalos. A medida em que ficarem menos espaçados, mais fortes e freqüentes, você estará em trabalho de parto. No caso de contrações a cada cinco minutos, ande devagar, tome um banho morno para relaxar (se a bolsa não tiver rompido).
Ao chegar ao hospital, um médico deverá fazer exames de rotina, verificará a sua ficha médica e perguntará sobre a freqüência das suas contrações. Após vestir a roupa do hospital, a enfermeira medirá a pressão arterial, temperatura e pulsação e, o médico, provavelmente fará um exame de toque para verificar a dilatação do colo do útero. O bebê também deverá ser examinado, através do apalpe da barriga e com a avaliação do batimento cardíaco, realizado com um estetoscópio de Pinard ou um sonar. Este exame é importante para avaliar se o bebê está recebendo a quantidade de oxigênio adequada e suficiente durante as contrações.
O pai da criança tem papel fundamental neste momento. Durante as contrações, procure dar apoio e carinho à sua mulher, lembre-a das técnicas de respiração, massageie as costas dela, dê-lhe água, apóie suas solicitações e jamais se magoe se ela se irritar com você. O nervosismo dela é normal.
Na hora do parto respire da forma indicada pelo médico,concentre-se nesta respiração, confie e siga todas as orientações dos especialistas. Boa sorte!

ALTURAS E PESOS MÉDIOS


PREPARANDO-SE PARA SER MÃE

A gravidez, muito embora seja um fenômeno natural e "corriqueiro", ainda hoje é vivenciada cheia de dúvidas e tabus. Mesmo que programada e desejada, quando confirmada, gera sempre muita insegurança, medo e ansiedade.

Esses sentimentos tendem a aumentar pela falta de informação e conscientização por parte do casal envolvido, ocasionando muitas vezes gestações problemáticas, e tendo como conseqüência partos difíceis, cheios de intervenções médico-cirúrgicas, cesarianas desnecessárias, enfim, uma experiência de parto traumática.

O primeiro passo a ser tomado quando se tem por objetivo um bebê, é ter a certeza de que ambos (homem e mulher) gozem de perfeita saúde, física e mental (segundo a Organização Mundial de Saúde, é nesse momento que todos os pré-natais deveriam ser iniciados, ainda a nível de planejamento). Essa é a base para o sucesso. Ansiedades, cobranças, obsessões: JAMAIS!!!!!!

A partir do momento em que uma mulher se vê grávida, além de todas as mudanças físicas pelas quais ela irá passar, haverá uma carga muito grande de alterações psicológicas, sociais e espirituais como inversão social, aumento de responsabilidades, medo do desconhecido, temor ao parto, e muitos outros medos, emoções e sensações que possam surgir no decorrer da gestação.

Diferente do que muitas pessoas pensam, a finalidade dos cursos de preparação para o parto, não é simplesmente a de ensinar a trocar fraldas, ou preparar mamadeiras. Isso, qualquer pessoa, independente de sexo, ou nível cultural, pode ensinar sem problemas, pois não requer grandes conhecimentos. Seu principal objetivo é preparar o casal grávido, física e emocionalmente para vivenciar e participar ativamente de todo o processo que envolve a maternidade. Essa conscientização é feita por uma equipe multiprofissional, atentando aos aspectos físicos da gravidez, amenizando as ansiedades naturais do processo, fornecendo respostas às questões que os assombram, como sexualidade, alimentação, exercícios físicos, álcool, fumo, medicamentos, peso, doenças, exames, preparo para a amamentação, enxoval, parto, pós-parto, dores, a escolha do hospital, os direitos da mulher durante todo o pré-natal e parto entre outras, conduzindo a uma experiência gestacional e de parto bem positiva, com queda significativa na depressão puerperal e grande sucesso na amamentação. Esses cursos de orientação são fornecidos muitas vezes por hospitais, clínicas, entidades relacionadas ao assunto, ou por Doulas (acompanhantes de parto) com habilitação para tal, sendo que estas dão continuidade ao trabalho através de apoio físico e emocional à gestante, ou orientando o pai ou acompanhante de como fazê-lo, durante o decorrer do trabalho de parto, estendendo-se ao pós-parto até a formação do vínculo materno-infantil com o estabelecimento da amamentação.

O casal bem informado irá vivenciar esse momento de suas vidas sem medos e tensões, participando mais ativamente desse processo magnífico e sagrado que se chama GESTAÇÃO.


PRIMEIROS PASSOS

Proteja:
Trincos
Cantoneiras
Tomadas
Quinas
Portões/portas
Escadas
Varandas
Piscinas
Janelas
Banheiro (providencie tapetes antiderrapantes para o box e/ou banheira)

Deixe fora do alcance:
Objetos pontiagudos
Objetos que podem sufocar (sacos plásticos, cordas e puxadores de persianas)
Objetos pesados e quebráveis (vasos, cinzeiros, enfeites de mesa)
Objetos pequenos (que podem ser facilmente engolidos)
Material de limpeza
Remédios
Plantas

Please publish modules in offcanvas position.